Santo da Semana: Mor Miguel, O Grande

MOR MIGUEL, O GRANDE

por Pablo Neves – subdiácono

Uma vida de justiça e santidade. Assim foram os 73 anos vividos por Mor Miguel, o Grande, que reinou como patriarca sobre a cátedra de Antioquia durante 33 anos e morreu em 1199.

Foi um estudioso e renomado historiador de nossa Igreja, a ponto de ser definido pelo patriarca Efrém Barsoum como “um dos maiores pontífices da Igreja de Deus, o melhor dos Patriarcas de Antioquia, um estudioso, e um cronista famoso, de nome eterno, de perseguição graciosa, e de qualidades incomuns, de amplamente conhecidas virtudes e de boas obras “.

Nasceu em 1126 em Melitine (Turquia) num lar cristão siríaco, onde recebeu sua educação religiosa inicial com seu pai, que era sacerdote da Igreja. Aliás, o pai de Mor Miguel descendia da família Qandasi, da qual muitos frutos para Igreja Siríaca nasceram, como patriarcas, santos, Maphrionos etc.

Tornou-se monge no mosteiro de Mor Barsawmo, tornando-se posteriormente sacerdote e abade. Após a morte do patriarca Atanásio VIII, os então 18 metropolitas do santo sínodo elegeram por unanimidade Mor Miguel como Patriarca de Antioquia. Foi consagrado patriarca em 1166 no mosteiro de Mor Barsawmo.

Durante sua vida como patriarca, Mor Miguel sagrou 54 bispos e um Maphriono (Cathólicos do Oriente), deixou vários e famosos livros, além de ter compilado e transcrito pessoalmente todos os hinos de Santo Efrém e de São Tiago de Sarug.

Anúncios