51º – São Severo de Antioquia

São Severo de AntioquiaSevero I (em aramaico: Sewerios ) teve papel importante na definição e orientação da Igreja de Antioquia. Sua formação foi definida num mosteiro em Trípoli na Fenícia (atual Líbano) com um profundo senso espiritual. Viajou para Alexandria, no Egito e lá também morou e estudou em um mosteiro. Além de passar seu tempo em estudo, dedicou também muito tempo em devoção e contemplação e quando foi servir em
Antioquia, seguiram-no duzentos monges de diversas regiões da África, principalmente egípcios. Em 512 foi coroado patriarca de Antioquia.

A biografia de Sewerios traz alguns dados interessantes. Seu avô paterno também portava o nome de Severo e foi epíscopo em Sozópolis (fica na atual Antalya, Turquia ocidental). Em 431, esse seu avô participou do Concílio de Éfeso. Daí se depreende a sua ligação com a ortodoxia. Seu pai foi senador do Império Bizantino e por isso sua educação foi das mais apuradas: por um lado, conhecia os clássicos gregos e por
outro era um devoto do cristianismo oriental. Quando foi a Alexandria, impressionou os coptas com seus conhecimentos dos clássicos gregos e ao mesmo tempo, foi introduzido aos escritos de S. Basiléu (Basselios, em aramaico) e de Gregório de Nazianzus (Greghorios ed nadsiansus).

Defendia as idéias de Dióscoro (Diosqoros, em aramaico) com uma retórica e lógica incomparáveis. Em 518, o novo imperador, Flaviano, intimou-o a ir a Constantinopla. Quando lá chegou, Flaviano o pressionou para aceitar os dogmas de um Concílio que os siríacos se recusavam a aceitar. Severos resistiu e Flaviano procurou condená-lo até mesmo à morte, porém, a esposa de Flaviano, a imperatriz Teodora alertou Severo da intenção da corte. Essa imperatiz, por sua vez, era filha de um padre siríaco da Igreja de Antioquia. Severo então conseguiu escapar ileso. Em seguida, o imeprador declarou vaga a cátedra de Antioquia e nomeou um patriarca que aceitava a forma como Roma e Bizâncio apresentavam a natureza de Cristo (conhecida como os dogmas do Concílio de Calcedonia).

Sewerios viajou ao Egito e lá escreveu diversas cartas explicando a diversidade dessas teses, em grego (no Egito, a maioria do povo falava o idioma grego e também uma mistura da antiga língua egipcia com a grega, conhecida como língua copta). Hoje, somente uma pequena parte desses escritos estão preservados em grego, a maioria existe em aramaico (siríaco). Enquanto isso, a Igreja Siríaca de Antioquia sofria as
perseguições do imperador que pensava estar certo. Nesse tempo surgiu na Síria um bispo chamado Tiago Baradeus (em aramaico: Yaaqüb Buredoono) que pregava o caminho dado por Sewerios. Imediatamente, Sewerios nomeou Tiago Baradeus como responsável pela pregação da ortodoxia e assim, Tiago Baradeus tornou-se o grande sustentáculo da ortodoxia na Síria, Fenícia, Mesopotâmia e Pérsia.

Dezessete anos depois Sewerios voltou a Constantinopla e discutiu a questão com o patriarca de Constantinopla, Antímo (em aramaico é conhecido por Anthimos) o qual percebeu que o imperador Flaviano estivera errado e que Sewerios, durante todo esse tempo, mesmo perseguido, vilipendiado e injuriado, estava certo, porém, já não era mais possível erradicar completamente o “erro” e o cisma que permaneceria. Isso foi em 536 d.C.

No início de 538 d.C., Sewerios faleceu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s